Fale Conosco Sindicalize Editais Balancetes Formulários Movimento Sindical e Social Quem Somos



Principal Convênios Acordos e Convenções
Convênios Acordos e Convenções Fale Conosco Sindicalize Formulários Arcordos e Convenções Editais Movimento Sindical e Social Balancetes e Despesas Quem Somos
 

Notícias


JARAGUÁ DO SUL - SC, 04 DE FEVEREIRO DE 2021.

 INFORMATIVO BANCÁRIO Nº (10965)02-21

 SANTANDER É IMPEDIDO DE COMETER NOVOS ATOS ANTISSINDICAIS.

Banco tentou cercear atuação de um Dirigente Sindical Liberado, por meio da redução arbitrária de seu salário.

A Justiça do Trabalho atendeu o pedido da Assessoria Jurídica do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários, Financiários e Empresas do Ramo Financeiro de Curitiba e Região para impedir que o Santander cometesse novo ato antissindical. O Banco enviou um e-mail com o objetivo de reduzir o salário de um Dirigente Sindical Liberado com o claro objetivo de constranger e coagir a ação do Bancário que atua em defesa dos interesses da categoria. 

Um e-mail foi enviado para o Dirigente no dia 22 de janeiro informando que ele teria seu salário reduzido a partir do dia 01 de fevereiro de 2021. Contudo, o Sindicato e sua Assessoria Jurídica agiram rápido, com um pedido de tutela inibitória no dia 25 de janeiro e decisão favorável publicada no dia 27 do último mês. 

"Isso é ilegal. Há uma convenção coletiva que garante aos Dirigentes Sindicais a manutenção da sua remuneração integral, sem qualquer redução. Pior: a Lei estabelece que não pode ser reduzido o salário de um Trabalhador quando não há reversão de cargo de confiança para cargo em provimento, especialmente quando há decisão judicial reconhecendo que a Gratificação de Função não remunera Cargo de Confiança, mas tão somente a Jornada Bancária de seis horas. Por tudo isso, ajuizamos este pedido de tutela inibitória", explica o Advogado da Assessoria Jurídica do Sindicato, Rubens Bordinhão Neto. 

"O que não se admite é a redução salarial por supressão da Gratificação Funcional, ainda que parcial, pois já houve reconhecimento judicial de que serviu apenas à remuneração das atividades exercidas no tempo restrito a seis horas diárias. Isto implicaria afronta ao disposto no inc. VI do art. 7o da Constituição da República", diz trecho da decisão assinada pela magistrada Fernanda Hilzendeger Marcon. 

"A defesa dos direitos dos trabalhadores é nossa ação incondicional enquanto representantes eleitos para tal. Não vamos aceitar que o Santander ou qualquer outro Banco descumpra com a legislação e os Acordos Assinados, na tentativa de cercear nossa atuaçao", explica a Secretária do Jurídico do Sindicato, Ana Fideli. “Seja de um Dirigente Sindical, seja de um Bancário ou Financiário de Base, nós vamos defender os direitos! Por isso, se precisar, procure o Sindicato!”, acrescenta.

INTERIOR: Não ficou localizada apenas em Curitiba as tentativas de coação do Santander, Banco com amplo histórico de práticas antissindicais. Em Guarapuava, no centro-sul paranaense, o Banco também tentou reduzir os rendimentos de um Dirigente Sindical a partir do descomissionamento neste início de 2021. 

"Neste caso, um mandado de segurança manteve o pagamento integral do salário do Dirigente Sindical. A Legislação é explícita ao vedar a redução salarial do empregado que recebe Gratificação por mais de 10 anos. Estamos atentos às tentativas do Banco em coagir e constranger Trabalhadoras e Trabalhadores Bancários", completa Bordinhão Neto, também responsável pela ação que garantiu a manutenção do pagamento ao Dirigente Bancário. 

Segundo ele, ambas as decisões são fundamentais para restaurar a liberdade e autonomia sindical. "Além de combater a prática antissindical do Banco ao coagir esses Dirigentes pela via remuneratória. Estas decisões garantem a íntegra da remuneração dos Dirigentes que defendem os interesses da Categoria", finalizou.

 

FONTE: SEEB CURITIBA PR.

 

O SEEB JGS E REGIÃO SC, POSSUI ATENDIMENTO JURÍDICO AOS BANCÁRIOS E SEUS DEPENDENTES.

172 Visualizações

Galeria de Fotos

Vídeos