Fale Conosco Sindicalize Editais Balancetes Formulários Movimento Sindical e Social Quem Somos



Principal Convênios Acordos e Convenções
Convênios Acordos e Convenções Fale Conosco Sindicalize Formulários Arcordos e Convenções Editais Movimento Sindical e Social Balancetes e Despesas Quem Somos
 

Notícias


JARAGUÁ DO SUL - SC, 21 DE SETEMBRO DE 2020.

 INFORMATIVO BANCÁRIO Nº (10858)09-20

PANDEMIA FAVORECE INCIDÊNCIA DE CASOS DA SÍNDROME DE BURNOUT.

Conforme pesquisa, 33 milhões de Trabalhadores Brasileiros sofrem com a doença, motivada por situações de estresse e pressão constante na atividade profissional.

A pandemia do novo coronavírus vem favorecendo o surgimento de quadros de doenças psicológicas. A situação é motivada, entre outros aspectos, pelo distanciamento social de familiares e amigos, necessário para o controle da disseminação da doença; pelo medo diante da possibilidade de contaminação pelo vírus e pelo estresse motivado nas novas rotinas de trabalho, aliado aos cuidados com a casa.

A Síndrome de Burnout é uma dessas doenças com possibilidade de crescimento, conforme constatação dos profissionais da saúde. Segundo dados obtidos por uma pesquisa da Associação Internacional de Gestão do Estresse (International Stress Management Association - Isma) anterior à própria pandemia, a síndrome atinge 32% dos Trabalhadores Brasileiros. O que equivale a 33 milhões de pessoas.

Pessoas afetadas pela Síndrome de Burnout costumam apresentar nervosismo constante, sofrimento psicológico e problemas físicos como cansaço excessivo, tonturas e dor de barriga. A doença também é conhecida como “Síndrome do Esgotamento Profissional”, estando associada, portanto, ao estresse no trabalho.

Os profissionais das áreas da saúde, educação, jornalismo, comunicação e forças policiais estão entre os mais afetados pela doença, devido à pressão constante de várias matizes exercida sobre essas atividades e seus trabalhadores. A conectividade em tempo total, acentuada pelo trabalho levado para casa no Home Office, é apontada como um dos principais fatores de risco para o aumento no número de casos da Síndrome de Burnout na pandemia.

A doença já é reconhecida como laboral, mas seu diagnóstico pode ser difícil devido aos sintomas semelhantes aos de outros quadros clínicos, como depressão, ansiedade e pânico. O modo como o trabalhador reage às pressões no trabalho pode ajudar a prevenir a ocorrência dessas doenças. Entretanto, as empresas também têm responsabilidade na prevenção, devendo incentivar a manutenção de um clima saudável e de respeito entre os Funcionários nos diversos níveis hierárquicos.

ALGUMAS DICAS PARA PREVENIR A SÍNDROME DE BURNOUT E OUTRAS DOENÇAS PSICOLÓGICAS: Defina objetivos de curto prazo, diminuindo a ansiedade; Negocie prazos ou períodos adequados de trabalho com o gestor; Pratique atividades físicas de modo regular; Durma o suficiente para repor as energias gastas no dia anterior; Adote uma alimentação saudável, reduzindo a ingestão de açúcar e gorduras; Inclua na rotina atividades culturais e de lazer; Monitore os sintomas e busque tratamento quando necessário; Se gestor, incentive a adoção de uma cultura corporativa que privilegie o respeito. Um ambiente de trabalho saudável melhora a qualidade de vida e a produtividade.

SÍNDROME DE BURNOUT: O QUE É, QUAIS AS CAUSAS, SINTOMAS E COMO TRATAR:

O que é Síndrome de Burnout? Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional é um disturbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico resultante de situações de trabalho desgastante, que demandam muita competitividade ou responsabilidade. 

A principal causa da doença é justamente o excesso de trabalho. Esta síndrome é comum em profissionais que atuam diariamente sob pressão e com responsabilidades constantes, como médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas, Bancários, dentre outros.

A Síndrome de Burnout também pode acontecer quando o profissional planeja ou é pautado para objetivos de trabalho muito difíceis, situações em que a pessoa possa achar, por algum motivo, não ter capacidades suficientes para os cumprir.

Essa síndrome pode resultar em estado de depressão profunda e por isso é essencial procurar apoio profissional no surgimento dos primeiros sintomas.

Quais são os principais sintomas da Síndrome de Burnout? A Síndrome de Burnout envolve nervosismo, sofrimentos psicológicos e problemas físicos, como dor de barriga, cansaço excessivo e tonturas.

O estresse e a falta de vontade de sair da cama ou de casa, quando constantes, podem indicar o início da doença.  

OS PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS QUE PODEM INDICAR A SÍNDROME DE BURNOUT SÃO:

Cansaço excessivo, físico e mental.

Dor de cabeça frequente.

Alterações no apetite.

Insônia.

Dificuldades de concentração.

Sentimentos de fracasso e insegurança.

Negatividade constante.

Sentimentos de derrota e desesperança.

Sentimentos de incompetência.

Alterações repentinas de humor.

Isolamento.

Fadiga.

Pressão alta.

Dores musculares.

Problemas gastrointestinais.

Alteração nos batimentos cardíacos.

Normalmente esses sintomas surgem de forma leve, mas tendem a piorar com o passar dos dias. Por essa razão, muitas pessoas acham que pode ser algo passageiro.

Para evitar problemas mais sérios e complicações da doença, é fundamental buscar apoio profissional assim que notar qualquer sinal.

Como é o diagnóstico da Síndrome de Burnout? O diagnóstico da Síndrome de Burnout é feita por profissional especialista após análise clínica do paciente.

O psiquiatra e o psicológo são os profissionais de saúde indicados para identificar o problema e orientar a melhor forma do tratamento, conforme cada caso.

Muitas pessoas não buscam ajuda médica por não saberem ou não conseguirem identificar todos os sintomas e, por muitas vezes, acabam negligenciando a situação sem saber que algo mais sério pode estar acontecendo.

Amigos próximos e familiares podem ser bons pilares no início, ajudando a pessoa a reconhecer sinais de que precisa de ajuda. 

No âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) está apta a oferecer, de forma integral e gratuita, todo tratamento, desde o diagnóstico até o tratamento medicamentoso.

Os Centros de Atenção Psicossocial, um dos serviços que compõe a RAPS, são os locais mais indicados.

Qual é o tratamento para Síndrome de Burnout? O tratamento da Síndrome de Burnout é feito basicamente com psicoterapia, mas também pode envolver medicamentos (antidepressivos e/ou ansiolíticos).

O tratamento normalmente surte efeito entre um e três meses, mas pode perdurar por mais tempo, conforme cada caso.

Mudanças nas condições de trabalho e, principalmente, mudanças nos hábitos e estilos de vida.

A atividade física regular e os exercícios de relaxamento devem ser rotineiros, para aliviar o estresse e controlar os sintomas da doença. 

Após diagnóstico médico, é fortemente recomendado que a pessoa tire férias e desenvolva atividades de lazer com pessoas próximas - amigos, familiares, cônjuges etc.

SINAIS DE PIORA: Os sinais de piora do Síndrome de Burnout surgem quando a pessoa não segue o tratamento adequado.

Com isso, os sintomas se agravam e incluem perda total da motivação e distúrbios gastrointestinais. 

Nos casos mais graves, a pessoa pode desenvolver uma depressão, que muitas vezes pode ser indicativo de internação para avaliação detalhada e possíveis intervenções médicas.

Como prevenir a Síndrome de Burnout? A melhor forma de prevenir a Síndrome de Burnout são estratégicas que dimunuam o estresse e a pressão no trabalho.

Condutas saudáveis evitam o desenvolvimento da doença, assim como ajudam a tratar sinais e sintomas logo no início.

AS PRINCIPAIS FORMAS DE PREVENIR A SÍNDROME DE BURNOUT SÃO:

Defina pequenos objetivos na vida profissional e pessoal.

Participe de atividades de lazer com amigos e familiares.

Faça atividades que "fujam" à rotina diária, como passear, comer em restaurante ou ir ao cinema.

Evite o contato com pessoas "negativas", especialmente aquelas que reclamam do trabalho ou dos outros.

Converse com alguém de confiança sobre o que se está sentindo.

Faça atividades físicas regulares. Pode ser academia, caminhada, corrida, bicicleta, remo, natação etc.

Evite consumo de bebidas alcoólicas, tabaco ou outras drogas, porque só vai piorar a confusão mental.

Não se automedique nem tome remédios sem prescrição médica.

Outra conduta muito recomendada para prevenir a Síndrome de Burnout é descansar adequadamente, com boa noite de sono (pelo menos 8h diárias). É fundamental manter o equilíbrio entre o trabalho, lazer, família, vida social e atividades físicas.

 

FONTE: ANABB com edição SEEB JGS E REGIÃO.

 

O SEEB JGS E REGIÃO SC, POSSUI ATENDIMENTO JURÍDICO AOS BANCÁRIOS E SEUS DEPENDENTES. 

86 Visualizações

Galeria de Fotos

Vídeos