Fale Conosco Sindicalize Editais Balancetes Formulários Movimento Sindical e Social Quem Somos



Principal Convênios Acordos e Convenções
Convênios Acordos e Convenções Fale Conosco Sindicalize Formulários Arcordos e Convenções Editais Movimento Sindical e Social Balancetes e Despesas Quem Somos
 

Notícias


JARAGUÁ DO SUL - SC, 26 DE NOVEMBRO DE 2019.

 INFORMATIVO BANCÁRIO Nº (10541)11-19

 BANCOS ANUNCIAM HORÁRIO ESTENDIDO PARA RENEGOCIAÇÃO.

Os grandes Bancos Brasileiros anunciaram que, entre 2 e 6 de dezembro de 2019, parte das agências terão o horário estendido até às 20h para renegociações de dívidas e educação financeira. A ação faz parte de um acordo firmado entre Banco Central e Febraban (Federação Brasileira de Bancos). São 261 agências em todo o país, envolvendo as seguintes Instituições Financeiras - Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander. 

O Sindicato cobra esclarecimentos dos Bancos sobre a ação e o correto pagamento de direitos dos Bancários envolvidos.

“Uma operação como essa envolve diversos fatores como estrutura, condições de trabalho, segurança e, principalmente, o correto pagamento de direitos dos bancários envolvidos. É preciso que cada um destes pontos seja objeto de esclarecimento e negociação com as entidades representativas dos bancários”, enfatiza a representante do movimento sindical, Neiva Ribeiro.

“Lembramos que os ataques à Categoria Bancária presentes na MP 905, assinada por Bolsonaro em 11 de novembro – como o aumento da jornada para 8 horas e a permissão para trabalho aos sábados, domingos e feriados – são temas de negociação. Cobramos que os Bancos respeitem o processo negocial, construído ao longo de décadas, e não se aproveitem dessa MP para não pagar as devidas horas-extras aos Bancários envolvidos nessa operação de renegociação de dívidas. Temos uma Convenção Coletiva de Trabalho em plena validade, assinada pelos Bancos, que deve ser respeitada”, alerta Neiva.

Para a sindicalista, se os Bancos realmente desejam melhorar a educação financeira da população, deveriam começar por abrir mão da cobrança de taxas abusivas, juros extorsivos e do absurdo spread bancário.

“É fácil falar em educação financeira colocando toda a responsabilidade nas costas dos clientes. Difícil é explicar que, somente este ano, apenas quatro Bancos [Itaú, Santander, Bradesco e BB], já cobraram R$ 24,2 bilhões em tarifas dos clientes, crescimento de 7,1% em relação ao ano passado, enquanto a inflação [INPC] variou 2,89% no mesmo período. Difícil é explicar que os juros no cheque especial ultrapassam os 300% ao ano. Mais difícil ainda é explicar que o spread bancário no Brasil siga como um dos maiores do mundo. Também seria importante que os Bancos apresentassem seus motivos para fecharem diversas agências nas periferias e municípios menores, onde a população mais precisa”, critica Neiva.

“Se a intenção realmente é melhorar a educação financeira do brasileiro, deveríamos começar pelos Bancos brasileiros, que poderiam dar o exemplo exercendo a responsabilidade social que deveriam ter enquanto concessões públicas que são”, conclui.

 

FONTE: SEEB SP.

 

O SEEB JGS E REGIÃO SC, POSSUI ATENDIMENTO JURÍDICO AOS BANCÁRIOS E SEUS DEPENDENTES. 

138 Visualizações

Galeria de Fotos

Vídeos